English EN Português PT

"por uma indústria de seguros mais sólida, eficiente e eficaz"

Actores de Sofala e Nampula capacidados em matéria de seguros

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

No âmbito do Projecto “Aposte no Seguro” do Instituto de Supervisão de Seguros de Moçambique (ISSM), a Escola de Comunicação e Artes da Universidade Eduardo Mondlane (ECA-UEM), parceira do ISSM, capacitou, recentemente, actores teatrais das Províncias de Sofala e Nampula, em matérias de seguros.

A acção de treinamento envolveu dois grupos teatrais da cidade da Beira, Haya-Haya e Chamuarianga, e na cidade de Nampula abrangeu actores igualmente seleccionados pela equipa da ECA-UEM, cujo objectivo é replicar, nas comunidades locais, a apresentação das peças com o intuito de promover a educação financeira em seguros.

Durante 10 dias, estes foram dotados de conhecimentos sobre importância do seguro, diferença entre seguradora e corretora de seguros, papel do ISSM, seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel, seguro de acidentes de trabalho e doenças profissionais, micro-seguro, entre outras matérias.

O Coordenador e formador da ECA-UEM, Dactivo Combane, assegurou que, por serem profissionais, os artistas assimilaram com facilidade o conhecimento transmitido, apesar das restrições de movimentos cénicos e contactos, devido à observação das medidas inseridas do Estado de Emergência em Moçambique, por conta da pandemia do Covid-19.

“As restrições causadas pelo Covid-19 obrigaram-nos a adiar as exibições dos espectáculos, mediante a supervisão do ISSM, entretanto, neste momento estamos a montar os áudios de espectáculo de consciencialização sobre seguros que serão difundidos nas rádios e outros meios de comunicação”, explicou Dactivo Combane, tendo acrescentado que esta sensibilização, visa fazer compreender os cidadãos sobre a necessidade do uso dos serviços de seguros, para a protecção pessoal e patrimonial.

Por seu turno, a actriz, Calene, da cidade da Beira, frisou que a parceria com os actores nacionais para a transmissão de conhecimentos sobre seguros nas comunidades é de louvar, tendo em conta a novidade e especificidade do sector de seguros e pouco conhecimento sobre a importância de contratação destes serviços.

Acrescentou ainda que a situação da pandemia veio demonstrar as fragilidades que existem no sector cultural. “Se houvesse mais consciencialização sobre os benefícios dos seguros, provavelmente muitas pessoas teriam aderido a diversos produtos de seguros para terem uma rectaguarda neste período em que, praticamente, não há actividades que garantam a renda”, opinou Calene. 

Importa referir que, no âmbito da implementação do projecto “Aposte no Seguro”, cujo objectivo é promover a importância dos seguros de forma abrangente, iniciou-se com a produção de um programa televisivo sobre seguros, uma radionovela, produção de músicas em línguas Portuguesa, Changana, Sena e Emakua, que brevemente serão transmitidos na Rádio Moçambique.